IMPRENSA

 


Inédito, maracujá roxo da Bahia é aposta para se tornar símbolo de produção orgânica
07/07/2020

De acordo com o pesquisador Raul Castro, vinculado à Embrapa Agrobiologia (RJ), o maracujá roxo apareceu a partir dos cruzamentos controlados, para melhoramento genético, entre maracujazeiros.

Fruta exótica no Brasil, mas muito difundida no mercado internacional, sobretudo o Europeu, o maracujá roxo está sendo visto por produtores rurais e pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) como uma aposta para se tornar símbolo de produção orgânica (sem uso de defensivos agrícolas) brasileira.

Informações divulgadas esta semana sobre o desenvolvimento do primeiro sistema de produção orgânica do maracujá do Brasil, por parte da Embrapa em Lençóis, na Chapada Diamantina (BA), dão conta de que o maracujá roxo (Passiflora edulis) apresentou as melhores características para a fruta tipo exportação.

De acordo com o pesquisador Raul Castro, vinculado à Embrapa Agrobiologia (RJ), o maracujá roxo apareceu a partir dos cruzamentos controlados, para melhoramento genético, entre maracujazeiros. O resultado foi uma fruta com menos teor de acidez que o maracujá amarelo e maior tolerância às doenças do maracujazeiro.

“Vamos lançar ano que vem o maracujá roxo como material para cultivo orgânico de maracujá por ter qualidades que se enquadram muito bem dentro do sistema, como ser mais tolerante às pragas, pela característica da poupa e do suco, que são mais agradáveis o paladar”, disse o pesquisador Raul Castro. (ouça a entrevista)

O maracujá roxo é resultado de pesquisas realizadas desde 2011 numa área de 80 hectares que pertence à empresa Bioenergia Orgânicos, a qual desenvolve em Lençóis um projeto agroindustrial voltado para produção e beneficiamento de frutas orgânicas (in natura, polpa e suco), com vistas ao mercado nacional e internacional.

 

Maracujá roxo tem mais suco que o convencional (Divulgação/Embrapa)

A área total da Bioenergia Orgânicos, que está há dez anos em Lençóis, é de 3,5 mil hectares, localizados no povoado de Tanquinho, a 20 km da cidade e a apenas 2 km do aeroporto.

O projeto de agroindústria já teve investimentos de mais de R$ 50 milhões, incluindo desde a compra da terra a investimentos em pesquisas.

Nesse tempo, foram testados 14 genótipos de maracujá. Outros dois genótipos que se destacaram foram híbridos BRS Sol do Cerrado e BRS Gigante Amarelo – ambos da casca amarela.

A produtividade deles, diz a pesquisa, é de 28 toneladas por hectare, quase três vezes mais que a do sistema convencional, de 10,5 toneladas/hectare.

A produtividade do maracujá orgânico da Chapada também supera em muito a média nacional, de 13,5 toneladas por hectare, e outra vantagem é que eles tiveram a produção de frutos iniciada com quatro meses, enquanto que no sistema convencional isso ocorre com no mínimo sete meses.

Maiores produtores

No Brasil, o maior produtor de maracujá é a Bahia, onde há 16 mil hectares plantados em 191 dos 417 municípios, segundo dados de 2017 (os mais recentes) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O estado tem produção de 170.910 toneladas, o que corresponde a 31% da produção nacional, de 554,5 mil toneladas. O segundo maior produtor do país é o Ceará (94,8 mil hectares) e o segundo Santa Catarina (46,1 mil toneladas).

Na Bahia, os municípios com maior produção, ainda com base nos dados de 2017 do IBGE, são Livramento de Nossa Senhora (30 mil toneladas), Ituaçu (11 mil toneladas) e Dom Basílio (10 mil toneladas).

Em Lençóis, onde ocorreu o experimento da Embrapa, não houve produção de maracujá em 2017, segundo o IBGE, mas os resultados do sistema orgânico deixaram empolgados os proprietários da empresa Bioenergia Orgânicos, que deve entrar em funcionamento total em cerca de um ano a dois anos, com a produção inicial de manga e maracujá.

A empresa vem realizando apenas pesquisas de melhoramento em frutas e sistemas orgânicos, com auxílio da Embrapa – mais de 60 variedades de frutas já foram pesquisadas. Além disso, tem promovido cursos nas cidades da região com vistas ao preparo dos pequenos agricultores.

Em Lençóis, a Bioenergia se instalou depois de pesquisar um local adequado em três estados do Nordeste (Bahia, Ceará e Pernambuco). Esse local deveria ter terras virgens, ser próximo ao rio e onde os pequenos agricultores (futuros parceiros na produção comercial) não tivessem o “vício” da agricultura convencional.

Outras frutas também estão em estudo na Bioenergia, como o abacaxi imperial (sem espinhos na casca), acerola, goiaba e banana princesa, variedade parecida com a banana-maçã.

Um dos sócios da empresa Bioenergia Orgânicos, Osvaldo Araújo informou que além dos genótipos híbridos BRS Sol do Cerrado e BRS Gigante Amarelo, eles pretendem cultivar o maracujá da casca roxa (Passiflora edulis) para atender ao mercado europeu, onde o consumo de maracujá com a casca dessa cor é mais tradicional que no Brasil.

“A ideia é o consumidor ver o maracujá roxo na prateleira do supermercado ele saber que é orgânico, algo automático, só nós estamos produzindo esse maracujá. A Embrapa ainda não registrou esse produto, nossa ideia é que ele seja registrado para o sistema orgânico”, disse Araújo.

 

Cultivo de maracujá roxo orgânico em Lençóis (Divulgação/Embrapa)

 

Fonte: @mariobtagro

 


SERVIÇO

Para mais informações:

Embrapa Mandiocultura e Fruticultura, Cruz das Almas, Bahia
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC): www.embrapa.br/fale-conosco/sac/.
Rua Embrapa SN
Fone: +55 (75) 3312-8048
CEP: 44380-000
Caixa Postal: 007

Clique aqui para ver na íntegra o Sistema Orgânico de Produção do Maracujazeiro para a Região da Chapada Diamantina, Bahia, da Embrapa


  Voltar para sala da Imprensa

ARQUIVOS

Outubro/2020
Agosto/2020
Julho/2020
Junho/2020
Maio/2020
Abril/2020
Março/2020
Fevereiro/2020
Janeiro/2020
Dezembro/2019
Novembro/2019
Agosto/2019
Julho/2019
Junho/2019
Maio/2019
Abril/2019
Março/2019
Janeiro/2019
Dezembro/2018
Novembro/2018
Outubro/2018
Setembro/2018
Agosto/2018
Julho/2018
Junho/2018
Maio/2018
Abril/2018
Março/2018
Fevereiro/2018
Janeiro/2018
Dezembro/2017
Novembro/2017
Outubro/2017
Setembro/2017
Julho/2017
Maio/2017
Abril/2017
Março/2017
Fevereiro/2017
Janeiro/2017
Novembro/2016
Outubro/2016
Agosto/2016
Julho/2016
Junho/2016
Abril/2016
Março/2016
Fevereiro/2016
Janeiro/2016
Dezembro/2015
Novembro/2015
Setembro/2015
Agosto/2015
Julho/2015
Junho/2015
Maio/2015
Abril/2015
Março/2015
Fevereiro/2015
Janeiro/2015
Dezembro/2014
Setembro/2014
Agosto/2014
Maio/2014
Abril/2014
Março/2014
Fevereiro/2014
Novembro/2013
Outubro/2013
Setembro/2013
Agosto/2013
Julho/2013
Junho/2013
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

28/10/2020 - Invento pode estimular expansão da indústria de defensivos biológicos no Brasil
03/08/2020 - Pesquisadores desenvolvem primeiro sistema orgânico de manga do País
31/07/2020 - Ministério da Agricultura faz 160 anos
07/07/2020 - Inédito, maracujá roxo da Bahia é aposta para se tornar símbolo de produção orgânica
07/07/2020 - Embrapa lança guia de manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxi orgânico

 

CONTATO

Avenida Sete de Setembro, 83, Lençóis - Bahia
CEP 46960-000   Caixa Postal 18
+55 (75) 3334 1092
contato@bioenergiaorganicos.com.br