IMPRENSA

 


Inundações e secas provocaram 83% de perdas agrícolas mundiais, diz FAO
29/11/2015

Foram analisados 140 desastres em 67 países.
América Latina e Caribe perderam US$ 11 bilhões em produção agrícola.
 
As inundações e as secas provocaram 83% das perdas nas plantações e rebanhos entre 2003 e 2013, o que evidência o impacto severo que os desastres associados ao clima têm sobre o setor agrícola, segundo um estudo divulgado nesta quinta-feira (26) pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).
 
A FAO, com sede em Roma, chegou a essa conclusão após analisar 140 desastres registrados em 67 países nesse período, e que afetaram pelo menos 250 miCerca de US$ 80 bilhões anuais foram perdidos nesses países, como resultado da redução da produção, sendo maiores os danos nos locais mais dependentes da agricultura, segundo o relatório publicado às vésperas da Cúpula do Clima de Paris.
 
O prejuízo econômico global – incluindo outros setores além da agricultura e todo o tipo de desastres naturais – foi calculado em US$ 1,5 trilhão. Já a média anual de desastres duplicou desde 1980.
 
A América Latina e o Caribe perderam US$ 11 bilhões em termos de produção agrícola, em 55% dos casos por causa de inundações e em menor medida por secas e tempestades.
 
Segundo o estudo, o país mais afetado da região foi o Brasil, após as inundações de 2009 no Nordeste e da seca de 2007 nas áreas de produção de café, que reduziram a safra em 10% e afetaram os preços internacionais do produto. Outros prejuízos significativos também foram registrados na Colômbia, México e Paraguai.
 
A Ásia concentrou cerca de 60% das perdas totais estimadas nessa década nos países em desenvolvimento – US$ 48 bilhões –, sobretudo pelo efeito das inundações em países como Índia, Filipinas e Paquistão.
 
Na África, os prejuízos foram de US$ 14 bilhões, principalmente provocados pelas secas, ameaçando a disponibilidade de alimentos e as economias em geral dos países subsaarianos.
 
Apenas três grandes desastres ocorreram no Oriente Médio nesse período, embora a região tenha sido a mais afetada em termos relativos ao registrar uma perda global de US$ 7 bilhões, concentrada em sua maioria após a seca de 2008 na Síria.
 
A FAO explicou que, em termos de produção, foram perdidos 333 milhões de toneladas de cereais, leguminosas, carne, leite e outros produtos básicos devido aos desastres naturais. A queda da produção agrícola após os fenômenos climáticos provocou um aumento das importações de alimentos no valor de US$ 33 bilhões, segundo o relatório.
 
Para combater esses fenômenos, a FAO pediu melhorias nos sistemas de informação sobre o impacto dos desastres na agricultura e avanços na capacidade de adaptação e mitigação dos efeitos com um maior investimento no setor.l pessoas.

Fonte: Globo Rural

  Voltar para sala da Imprensa

ARQUIVOS

Novembro/2018
Outubro/2018
Setembro/2018
Agosto/2018
Julho/2018
Junho/2018
Maio/2018
Abril/2018
Março/2018
Fevereiro/2018
Janeiro/2018
Dezembro/2017
Novembro/2017
Outubro/2017
Setembro/2017
Julho/2017
Maio/2017
Abril/2017
Março/2017
Fevereiro/2017
Janeiro/2017
Novembro/2016
Outubro/2016
Agosto/2016
Julho/2016
Junho/2016
Abril/2016
Março/2016
Fevereiro/2016
Janeiro/2016
Dezembro/2015
Novembro/2015
Setembro/2015
Agosto/2015
Julho/2015
Junho/2015
Maio/2015
Abril/2015
Março/2015
Fevereiro/2015
Janeiro/2015
Dezembro/2014
Setembro/2014
Agosto/2014
Maio/2014
Abril/2014
Março/2014
Fevereiro/2014
Novembro/2013
Outubro/2013
Setembro/2013
Agosto/2013
Julho/2013
Junho/2013
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

05/11/2018 - Produção de frutas e hortaliças no Brasil destaca-se pela geração de empregos
25/10/2018 - Sistema Orgânico de Produção do Maracujazeiro para a Região da Chapada Diamantina, Bahia
20/09/2018 - Fertilizante orgânico é desenvolvido a partir da biomassa de plantas
16/08/2018 - Digitalização no campo busca transformar agricultura
28/07/2018 - Saudável, orgânico e sustentável: a revolução dos millennials e a indústria alimentícia

 

CONTATO

Avenida Sete de Setembro, 83, Lençóis - Bahia
CEP 46960-000   Caixa Postal 18
+55 (75) 3334 1092
contato@bioenergiaorganicos.com.br