IMPRENSA

 


Pesquisadores brasileiros inventam plástico comestível feito de frutas
27/05/2015

Pesquisadores brasileiros inventam plástico comestível feito de frutas

 
 
Foto: Samuel Vasconcelos
 
Pesquisadores da Embrapa Instrumentação, de São Carlos (SP), desenvolveram uma série de películas comestíveis que funcionam como plástico. Os sabores incluem espinafre, mamão, goiaba e tomate, mas a técnica permite que outros sabores sejam desenvolvidos. O trabalho recebeu financiamento de R$ 200 mil e o material, além de ser biodegradável, pode ser utilizado no preparo dos alimentos. Dessa forma, uma pizza que esteja embalada com o material pode ir ao forno diretamente, assim como outros alimentos. A película pode, inclusive, ser utilizada como parte do tempero.
 
A matéria-prima é composta por água, polpa de fruta e carboidratos vegetais. No meio ambiente, se descartado, o "plástico" se decompõe em três meses e pode ser utilizado como adubo, ou mesmo descartado na rede de esgoto, sem prejuízos. Além disso, ele tem capacidade de conservar os alimentos pelo dobro do tempo. O plástico convencional, por sua vez, demora 400 anos para se decompor.
 
O projeto de plástico comestível utilizando frutas é o primeiro a ser desenvolvido no mundo e abre um imenso campo a ser explorado pela indústria de embalagens. Segundo o chefe-geral da Embrapa Instrumentação, Luiz Henrique Capparelli Mattoso, que coordenou a pesquisa, o material pode ser utilizado também gastronomicamente. "Aves envoltas em sacos que contêm o tempero em sua composição, sachês de sopas que podem se dissolver com seu conteúdo em água fervente e muitas outras possibilidades", explicou.
 
Outras possibilidades levantadas pelo pesquisador incluem goiabadas vendidas em plásticos feitos de goiaba, sushis envolvidos com filmes comestíveis no lugar das tradicionais algas, perus vendidos em sacos feitos de laranja, que vão direto ao forno, e geleias em formato de ursinhos, só que elaboradas com frutas naturais.
 
O pesquisador informa ainda que o plástico comestível tem ainda a vantagem de reaproveitar alimentos rejeitados pelas indústrias e vegetais que deixam de ser comercializados por não apresentarem bom aspecto visual, mesmo estando em condições de consumo. "Esses vegetais que iriam estragar na prateleira podem ser matéria-prima para a embalagem comestível", acredita o especialista.
 
De acordo com o doutorando Marcos Vinicius Lorevice, que participa do projeto, ainda não há prazo para que a inovação chegue ao mercado, mas já há empresas interessadas em produzir o filme comestível em escala industrial.
 
Características
 
O material tem características físicas semelhantes aos plásticos convencionais, como resistência e textura, e tem igual capacidade de proteger alimentos. Além disso, o "plástico orgânico" apresentou propriedades mecânicas superiores aos plásticos sintéticos. Em laboratório, os produtos se mostraram mais resistentes ao impacto, além de serem três vezes mais rígidos que os plásticos sintéticos.
 
A maior diferença, entretanto, está na matéria-prima. O plástico comestível é feito basicamente de alimento desidratado misturado a um nanomaterial que tem a função de dar liga ao conjunto. "O maior desafio dessa pesquisa foi encontrar a formulação ideal, a receita de ingredientes e proporções para que o material tivesse as características de que precisávamos", explica o engenheiro de materiais José Manoel Marconcini, pesquisador da Embrapa que também participou do projeto.
 
Processo de produção
 
O plástico foi desenvolvido após duas décadas de trabalho e o processo de produção é considerado simples. Primeiramente, a matéria-prima, como frutas e verduras, é transformada em uma pasta. A seguir, os pesquisadores adicionam componentes para dar liga no material e o colocam em uma fôrma transparente, que será levada a uma câmara que emite raios ultravioleta. Após poucos minutos, a película sai da máquina pronta para ser consumida.
 
O líder da Rede de Pequisa de Nanotecnologia para Agronegócio da Embrapa, Cauê Ribeiro, conta que, depois de passar pelos raios ultravioleta, o plástico recebe o último processamento e toma forma de filme. "O nosso plástico tem características similares aos filmes convencionais, ou seja, ajuda a diminuir a passagem de gases e evita o contato com outros organismos", destacou.
 
O resultado é um alimento completamente desidratado com a vantagem de manter suas propriedades nutritivas. Os pesquisadores adicionaram, ainda, quitosana, um polissacarídeo formador da carapaça de caranguejos, com propriedades bactericidas – o que pode aumentar o tempo de prateleira dos alimentos. "Dessa forma, temos um plástico facilmente degradável e que fornece proteção superior aos alimentos, além de poder ser utilizado para dar sabor", finaliza.
 
 
 
Fonte: BOL Notícias

  Voltar para sala da Imprensa

ARQUIVOS

Setembro/2018
Agosto/2018
Julho/2018
Junho/2018
Maio/2018
Abril/2018
Março/2018
Fevereiro/2018
Janeiro/2018
Dezembro/2017
Novembro/2017
Outubro/2017
Setembro/2017
Julho/2017
Maio/2017
Abril/2017
Março/2017
Fevereiro/2017
Janeiro/2017
Novembro/2016
Outubro/2016
Agosto/2016
Julho/2016
Junho/2016
Abril/2016
Março/2016
Fevereiro/2016
Janeiro/2016
Dezembro/2015
Novembro/2015
Setembro/2015
Agosto/2015
Julho/2015
Junho/2015
Maio/2015
Abril/2015
Março/2015
Fevereiro/2015
Janeiro/2015
Dezembro/2014
Setembro/2014
Agosto/2014
Maio/2014
Abril/2014
Março/2014
Fevereiro/2014
Novembro/2013
Outubro/2013
Setembro/2013
Agosto/2013
Julho/2013
Junho/2013
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

20/09/2018 - Fertilizante orgânico é desenvolvido a partir da biomassa de plantas
16/08/2018 - Digitalização no campo busca transformar agricultura
28/07/2018 - Saudável, orgânico e sustentável: a revolução dos millennials e a indústria alimentícia
02/07/2018 - Produtora de frutas orgânicas deverá chegar a Lençóis
15/06/2018 - União Europeia aprova novas regras para os orgânicos

 

CONTATO

Avenida Sete de Setembro, 83, Lençóis - Bahia
CEP 46960-000   Caixa Postal 18
+55 (75) 3334 1092
contato@bioenergiaorganicos.com.br