IMPRENSA

 


São lançados maracujás híbridos com importantes tolerâncias
17/12/2014

São lançados maracujás híbridos com importantes tolerâncias

Mais de 20 anos de pesquisa da Embrapa resultaram em surpreendentes resultados para o maracujá, ou a fruta da paixão, como é conhecido no exterior. Isso porque a Embrapa lança três híbridos no mercado: BRS Gigante Amarelo, BRS Rubi do Cerrado e BRS Sol do Cerrado.

Fato é que o mercado do maracujá tem expandido, inclusive o IBGE indica aumento do consumo per capta dos brasileiros. O uso tanto para suco e cosméticos, quanto os frutos in natura são mercados promissores nacional e internacionalmente.

Nesse sentido, o pesquisador da Embrapa, Dr. Fábio Faleiro, responsável pelos estudos com maracujás, apresenta a situação dos produtores da cultivar com uma latente necessidade de melhoramento genético. “Os produtores de maracujás demandam tecnologias para melhorar a lucratividade e a sustentabilidade dos seus sistemas de produção. Os custos de produção com o preparo do solo, espaldeiramento, irrigação, podas, polinização manual, adubações, controle fitossanitário, etc. são altos e, por isso, é importante o uso de cultivares que respondam a esses vários tratos culturais com alta produtividade, permitindo a lucratividade aos produtores”.

O diretor da Agrocinco, responsável pela comercialização das sementes dos novos híbridos de maracujás, o engenheiro agrônomo Flávio Pagnan, afirma que os produtores vão se surpreender com o novo material genético. “O mercado nunca viu essa combinação de qualidade do fruto, produtividade e tolerâncias, aliás, as tolerâncias contra bacterioses e antracnose, virose e verrugose, como o BRS Rubi do Cerrado nenhum outro híbrido possui”, destaca, Pagnan.

Desde que o trabalho com maracujás teve início na Embrapa na década de 1990, pelo Dr. Nilton Junqueira, acordo com o Dr. Faleiro, os objetivos das pesquisas com maracujás foram alcançados e estão pontuados abaixo:

1. Conquistar alta produtividade: vários produtores que utilizam tecnologia no sistema de produção têm obtido produtividades acima de 50 ton/ha no primeiro ano de produção;

2. Obter qualidade física e química de frutos: os frutos dessas cultivares apresentam tamanho de fruto e aparência adequada para o mercado de fruta fresca, além de apresentar uma polpa mais alaranjada, adequada para o mercado de processamento industrial;

3. Desenvolver tolerância e resistência às principais doenças do maracujazeiro: as cultivares tem apresentado maiores níveis de tolerância e resistência a doenças de parte aérea (antracnose, virose, bacteriose, septoriose, verrugose) desde que as plantas estejam nutridas por meio de um adequado sistema de irrigação e adubação.

Fonte: Cultivar


  Voltar para sala da Imprensa

ARQUIVOS

Setembro/2018
Agosto/2018
Julho/2018
Junho/2018
Maio/2018
Abril/2018
Março/2018
Fevereiro/2018
Janeiro/2018
Dezembro/2017
Novembro/2017
Outubro/2017
Setembro/2017
Julho/2017
Maio/2017
Abril/2017
Março/2017
Fevereiro/2017
Janeiro/2017
Novembro/2016
Outubro/2016
Agosto/2016
Julho/2016
Junho/2016
Abril/2016
Março/2016
Fevereiro/2016
Janeiro/2016
Dezembro/2015
Novembro/2015
Setembro/2015
Agosto/2015
Julho/2015
Junho/2015
Maio/2015
Abril/2015
Março/2015
Fevereiro/2015
Janeiro/2015
Dezembro/2014
Setembro/2014
Agosto/2014
Maio/2014
Abril/2014
Março/2014
Fevereiro/2014
Novembro/2013
Outubro/2013
Setembro/2013
Agosto/2013
Julho/2013
Junho/2013
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

20/09/2018 - Fertilizante orgânico é desenvolvido a partir da biomassa de plantas
16/08/2018 - Digitalização no campo busca transformar agricultura
28/07/2018 - Saudável, orgânico e sustentável: a revolução dos millennials e a indústria alimentícia
02/07/2018 - Produtora de frutas orgânicas deverá chegar a Lençóis
15/06/2018 - União Europeia aprova novas regras para os orgânicos

 

CONTATO

Avenida Sete de Setembro, 83, Lençóis - Bahia
CEP 46960-000   Caixa Postal 18
+55 (75) 3334 1092
contato@bioenergiaorganicos.com.br